dias melhores pra sempre

Primeiramente e continuamente
#foratemer com supremo e tudo.
c511wwzwmaavvkd

Faça o download. Questione.  Compare.
http://fundacaoanfip.org.br/site/wp-content/uploads/2016/05/FOLDER-FRENTE-PARLAMENTAR-10.pdf
Anfip classifica como falácia dados do governo sobre Previdência.
Em cartilha auditores contrapõem discurso do deficit.

 

Anúncios

Recuperando HD externo

naoformatarSantos anônimos:
olha se eu fosse de fazer corrente de oração, uma fervorosa seria para esse jpdelima que literalmente salvou anos de fotografias e videos que estavam em backup num hd externo Samsung portable M3 de 1T, com menos de 6 meses de uso. Do nada veio a mensagem:
O volume não contem um sistema de arquivos reconhecido. Certifique-se de que todos os drivers do sistema estão carregados e o volume não está corrompido.

Caro jpdelima, e demais colegas que complementaram a dica, vocês salvaram mais um desesperado. Ou melhor, mais dois hds externos!

Importante: Parece que o CHKDSK não está disponível para discos RAW. Veja em fóruns se esse é seu caso. O método deu certo comigo e para várias pessoas que deixaram o depoimento no fórum do guia do pc. E como diz o Guilherme Pedroso do INfogeek: Eu não posso garantir que vai dar certo pra você. Não me responsabilizo por falhas ou erros advindos de suas tentativas. Se estiver na dúvida ou inseguro é melhor procurar um especialista em recuperação de dados. 

A fonte da resposta é essa: http://www.guiadopc.com.br/respostas/2919/reconhecido-computador-consegue-arquivos-pergunta-formatar#a25591 . É sempre bom voltar na origem da informação para ver se tem novidade! Meu resumo de tudo é assim:

Lembra gente:
1) Conectar o hd externo no PC ou Nbook e conferir qual a letra que identifica essa unidade (informação vital)
2) Iniciar>executar>cmd abrir prompt do dos
(no windows 10 , vc pode clicar com o botão direito do mouse no ícone de iniciar, no cantinho inferior esquerdo da tela, e depois selecionar prompt de Comando (Admin)
3) Na janela que abriu , após a informação:
C:\Windows\System32\
você vai digitar: chkdsk letra identificadora da unidade:/f
ou seja, se sua unidade for E: digite: chkdsk E:/f . se for D: digite chkdsk D:/f .
Não esqueça o /f  (o comando f define a correção de erros no disco).

4) Aperte o enter e aguarde a checagem completa.
5) Quando o prompt finalizar a operação, feche a janela e retorne ao explorador de arquivo e confira se seu hd está sendo reconhecido.
6) Segure os gritos e o choro, quem estiver próximo pode não entender direito a emoção!!
7) Faça uma prece fervorosa de gratidão ao quase canonizável herói JPDELIMA e vá descansar. Com certeza um peso enorme saiu de seus ombros hoje! { 🙂 }:-p

  • PS: Recuperar HD Raw
    http://bloginfogeeks.blogspot.com.br/2012/04/hd-em-modo-raw-saiba-como-recuperar.html
    http://www.wondershare.com.br/disco-rigido/recuperar-dados-raw-disco-duro.html

Hoje é dia de… Será mesmo? :-|

Uma febre civilismo agendado, de ações de mkt, ou memes, ou qualquer coisa parecida margarida pra você compartilhar e curtir. Assim tem sido o day by day em algumas redes efervescentes. O fb que se impulsiona dos shared  & liked então.

Todo mundo virtualmente, claro, comemora de tudo todo dia. Assim todos os dias são de santos, todos os dias são dedicados a alguma carreira, algum membro ou agregado da família hiperlinkada.

giphyTal hábito entrou numa constância tão frenética, que muitas vezes recorro a calendários, almanaques e similares para conferir se as datas batem. e muitas vezes  os compartilhamentos são apenas as reverberações de postagens bem antigas. Ecos que vagam pelo hiperespaço. Replicações impulsivas automatizadas por um ou outro start action contido na mensagem.

Do ponto de vista da comunicação estratégica de  marcas ou entidades entendo a necessidade de nutrir um repertório  de  conteúdos com função de manter num equilíbrio a visibilidade e possível engajamento de seguidores e replicadores. É um recurso para manter o share of mind mesmo quando não se tem, ou não se encontra conteúdo efetivo e exclusivo para disponibilizar.

Enfim se é este o caminho que se siga em bloco. Não sai dos princípios midamórficos essa tendencia em uniformizar, massificar, no senso de estabelecer-se num nível de linguagem socialmente reconhecível e que não gere custos adicionais no processo industrial de comunicação e cultura.
Penso no desafio dos bons comunicadores de se manterem no com um pé na moda e outro no avante, buscando uma identidade e em todos os outros que lhe endossam.
De modo geral no Brasil, os feriados nacionais e pontos facultativos em vigor a cada ano são publicados no Diário Oficial da União.
Pra quem quer mesmo saber as principais datas comemorativas, há na web sites e mesmo alguns aplicativos com esses dados:

  Internacional  Brasil  
http://www.un.org/en/sections/observances/international-days/ http://www.brasil.gov.br/governo/2012/04/confira-a-lista-de-todos-os-feriados-nacionais
http://www.americancatholic.org/Features/Saints/bydate.aspx https://www.paulinas.org.br/diafeliz
http://www.checkiday.com http://diasde.com/
http://www.saferinternetday.org/ http://www.codeorama.com/sazonal
http://www.theinternetday.com
http://www.un.org/en/sections/observances/international-days/
http://www.calendariobr.com.br
https://www.daysoftheyear.com http://www.vtn.com.br/servicospublicos/calendario/
http://vpcalendar.net/Holiday_Dates/Holiday_Determinations.html http://www.feriadosmunicipais.com.br
http://projectbritain.com/calendars/ http://www.smartkids.com.br/datascomemorativas
 http://www.calendarr.com/ http://www.brasilescola.com/datas-comemorativas
http://www.holidayinsights.com/ http://www.datascomemorativas.me/
http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_commemorative_days pt.wikipedia.org/wiki/Datas_comemorativas
http://www.timeanddate.com/http://www.calendar-365.com/ http://www.vademecumespirita.com.br/goto/store/texto/12/datas-comemorativas
http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_calendars
flowchart
Entre Fraldas e Livros: O passo a passo do que deveria ser feito nas redes sociais ‪#‎tachato‬

Interessante fluxograma da coexistência digital que minha querida Tati @, do Entre fraldas e livros postou no FB.
Volta e meia tem alguém que joga essas diretas do bem, afinal serve para todos nós. Conviver nunca deve ter sido tarefa fácil. Nem nas cavernas.
Listas de netiqueta rolavam nos BBS. A pergunta angustiante “Você tem certeza que quer enviar?”, A ampulheta do “send mail”… EmotIcons, listas e comunidades. Nada tinha a hiper interação alcançada com os dispositivos “SmartMob”de hoje.
Na ágora virtual do ciberespaço super conectável somos muitas vozes querendo a atenção. O burburinho, o grito, a argumentação, o púlpito nas dimensões hipermidiáticas se confundem com Rankings e TrendTopics numa simbiose esquizofrênica de neuroses e normoses, pasteurizando nossa humanidade.

Como encerrava Garcin, na sua angustiante existência pós morte:
O inferno são os outros.
Sim?                                                                                                 Não?

para ler as claras

Que houve de 95 pra cá, que atingiu até a mim? Hiperdimensão do compartilhamento em redes orgânicas que dão visibilidade a questões pautadas por gente comum.

Vi um post sobre um pretenso livro infantil no FB e concordei com as mães indignadas.
Daí me surpreendi ao perceber o quanto complicado é lidar com as liberdades. E o quanto difícil é respeitar o outro em suas opções.

Deve haver solução salomônica pra atender as famílias e os interesses do outro.
O livro, originalmente foi lançado em 1995, dessa época até hoje, não achei compartilhada na web nenhuma reclamação. O autor, jornalista, com reconhecimento de obra e tals. Mas essa semana, 5 de julho, se não me engano, foi abordado numa postagem do FB num desabafo indignado de uma mãe que só atentou para o conteúdo da obra quando a filha, leitora do dito, se sentiu incomodada com o conteúdo e pediu para não ler mais.

Entendo a mãe, pois se você entra no site das livrarias, a Cultura por exemplo, a sinopse diz que o livro “reúne 25 poemas para o público infanto-juvenil. De forma lúdica e engraçada,[…] escreve sobre o dia-a-dia infantil como se estivesse brincando com a meninada no parquinho ou no pátio da escola.[…]“. Sério, se eu pegasse qualquer adulto brincando nesse nível psicológico com qualquer criança que eu conhecesse eu voaria no pescoço e de certo denunciaria para autoridades competentes.
O que me leva a outra questão relativa ao que é censura e ao que é cuidado com a adequação de conteúdos artísticos culturais por faixa etária.
Se cabe aos pais decidir, obrigasse então que tudo sja lido linha por linha? ou eles podem confiar nos editores, críticos e educadores? Porque, com sinopses assim, como perceber realmente a intensidade do texto na mente de uma criança, na conjuntura de uma família com compreensões culturais e religiosas x ou y?
Eu achei o livro tarja preta mesmo, devia vir com avisos, assim como em exposições censura livre com erotismo, nudez, violência ou o quer que seja.

Enfim, que bom que a copa não nos amortece por completo!

print parcial da postagem
print parcial da postagem
Pra quem tiver Facebook e quiser ler a postagem original e a repercussão nos comentários subjacentes, tá aí o link:

//POST Publicação by Janilda Prata.

Pequeno guia para reduzir suas chances de ser manipulado pelas redes sociais

Resolvi reproduzir este trecho da postagem da Ana Freitas [@ana_freitas] no Youpix Imagemporque acho que esse é o check-list básico de qualquer um que se aventura nos bits socializados nas redes do ciberespaço e mesmo nas ágoras do mundo físico. Acrescento uma primeira sugestão: Controle o impulso de compartilhar tudo. Antes de repassar qualquer informação, pense duas, três vezes. Se não quiser/puder conferir a veracidade então não poste. Autocontrole ajuda a sanear a timeline.

– Leia mais que o título antes de compartilhar ou comentar

Eu sei que você faz isso. Todo mundo faz de vez em quando, talvez no afã de querer ser o primeiro a compartilhar algo que parece incrível. Mas se você não ler o que está escrito na matéria antes de compartilhá-la, corre o risco de endossar algo em que não acredita ou recomendar algo que não é tão bom assim, induzido ao erro por um título impreciso ou sensacionalista. Também vale pro ímpeto de comentar: deveria ser óbvio, mas não vale comentar um texto se você só leu o texto. É como dizer “não ouvi nada que você falou, mas não concordo”: você pode até fazer isso, mas soa um pouco idiota.

– Duvide do que vem sem fonte

Sabe aquelas imagens que vem com uma notícia ilustrada mas nunca com um link? São grandes as chances de que a notícia seja mentira. É fácil criar uma imagem, escrever qualquer coisa e postar na internet. Difícil é provar que aquilo é verdade ou explicar de onde veio.

– Opte por fontes em que você já acredita e confia

Claro que cada veículo da grande mídia tem uma agenda, isso é, um viés ideológico. Alguns veículos o declaram abertamente, e isso é o melhor que pode acontecer. Outros não são tão honestos. Mas veículos grandes tem chances menores de veicularem informações mentirosas porque costumam seguir um protocolo de apuração, que costuma consistir em conversar com todos os envolvidos na notícia. Além disso, com o maior alcance, a responsabilidade aumenta: um jornal ou revistas grandes tem mais chances de terem que se explicar caso sejam acusados de veicular informação mentirosa.

– Duvide de informações muito bombásticas em veículos pequenos

Se um site pequeno e desconhecido diz que um candidato roubou um pacote de bolacha em um supermercado, você não acha que uma acusação desse tipo sairia também em um veículo grande? É importante ficar alerta e duvidar sempre, mas esse papo de “a grande mídia esconde tudo” é muito extremista e se tornar conspirador pode te deixar paranoico. Se não saiu em nenhum outro lugar, provavelmente é mentira.

– O outro lado

Esse é simples: se ler que alguém fez alguma coisa, certamente a pessoa tem a versão dela pra história. Se o contexto envolver mais de duas pessoas, busque a versão de todas elas. Tente ler sobre quem são, o que fizeram, seus antecedentes.

– Clique com o botão direito e procure a origem da imagem

No Chrome, se você clicar com o botão direito em cima de uma imagem, pode fazer uma busca reversa no Google e descobrir de onde ela veio. Isso pode ser útil pra desmascarar fotos que dizem fazer parte de um contexto mas, na verdade, são parte de outro (como aquela do ex-presidente Lula lendo um livro de ponta-cabeça – é uma montagem, mas a versão mais conhecida é a foto manipulada).

 

respondendo Bernardo

Esses são trabalhos de Bernardo Mendes que comentou por aqui outro dia (15/11/2011) e aproveitou a dica sobre incorporar o Issue.

No blog num dá pra saber o processo todo, tipo origem dos textos de artes e o que efetivamente foi feito pelo carinha, mas o trabalho é legal.

Pra dar certo, além de seguir as indicações no post, cabe reforçar que o código deve ser colado no modo textto do editor, também ao copiar conferir e não deixar espaços entre a chaves e o código, nem se esquecer das aspas [gigya src=”x”.
Outra coisa é que esse códigos pra muitos outros documentos que usam o embed.

Então é isso. Legal ter compartilhado algo útil com alguém!

divertido tutorial para mapa conceitual

TheAwesomeScienceofMindmapping_4d93b9644ce6d.gif (615×1000)

Internet addiction disorder

Ah! Desisto de tentar me comunicar a moda antiga com esse ciberseres que em tempos remotos já chamei de filhos. De agora em diante a identidade poderá ser @ribeiro_luca e @_marianarib e no lugar de nome da mãe que conste: “internet” e do pai “twitter e facebook”.

,

Internet addiction disorder

perfis

colaboração

collaboration-personas-the-9-types-of-collaborators.jpg (2190×1335)