A metamorfose alt+f11

Então era aquela sensação de torpor, aquele peso  de sono atrasado que não deixa sequer o corpo mexer. Em um instante de lucidez o desejo: preciso acordar e continuar a trabalhar. Tem muita coisa ainda a fazer.
Do nada, aquela barra de carregamento ocupa a consciência. Tam! “O Arquivo é inválido ou está corrompido. Escolha umas das ações a seguir…” Tam! Deseja repetir a operação?” Tam! Não é possível descompactar o arquivo. Tam!
Desespero. Pânico. Tento de novo, de novo e de novo.  Tam! Tam! Tam!
Gente! Eu preciso acordar! Se eu não “inicializo” como faço?

Presa naquele estado letárgico e angustiada, fiz a única coisa que me restava. Cancelei a operação. Acordei ofegante e de olhos arregalados.  Suada e tremendo. Que foi isso?
Só durante o banho percebi. Tinha entrado “on-line” em modo de segurança.  

Passei o dia rindo deste pesadelo. Coisa louca!

Já tive muitos sonhos doidos por conta do cansaço dessa maratona de final de semestre. Mas esse foi o mais inusitado de todos. Não tinha sombra correndo atrás, não tinha cachoeira, nem corredeira pra atravessar. Não tinha sequer imagens. Apenas a sensação. 

O Tam! Ainda ecoa na cabeça.

Anúncios

Autor: >Lila

jornalista, vicionauta, blogueira, muito interessada em educação e comunicação [social, visual, digital] (professora, aluna, pesquisadora, mãe, filha e avó em ordem randômica de tempo, espaço e sensações )

Um comentário em “A metamorfose alt+f11”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s