+ agosto de 2005

21/08/200512:26
Chuva em agosto
Chuva em agosto. Realmente esse ano de 2005 é um ano de fatos inusitados. Não me lembro de chuva nesta época do ano em Brasília. E já choveu 2 vezes nesta semana.
Alguém lá em cima deve ter pena da gente daqui… porque com essa tensão política toda emanando da cabine do avião, a paisagem marrom, a umidade quase a menos de 20% e os focos de queimadas, um desavisado poderia achar que chegou ao inferno.
O pior é que, ironicamente, nessa época do ano, normalmente, a única grama verdinha é a que rodeia o Congresso Nacional. Mais que pela água 24h/dia, deve ser a abundância de adubo.

****

Agosto na minha memória candanga ainda é o “mês do cachorro louco”.
E era assim mesmo quando a gente era criança. De repente começavam os latidos, a molecada corria e subia em cima de qualquer coisa. Era um medo lascado!
Nunca vou me esquecer quando o cachorro da Katia foi sacrificado ali na nossa frente. O cão era o amigo da turma. De um minuto pra outro começou a latir e a espumar, arreganhando o focinho com uma aparência enfurecida. Seu Feitosa, correu em casa, catou o revólver e disparou várias vezes no bicho que avançava em uma turma que se protegia sobre o muro. A gritaria da molecada, o estampido, o granido e o silêncio depois. Triste.

****

Pra ter uma idéia do que é Brasilia nessa época do ano é so comparar estas duas imagens do site brazilia.jor:

Brasília seca e Brasília primaveril

Enviado por: dri
Data de Envio: 22/8/2005 11:08:00
Blog: esquisitice.zip.net
Meu celular não mudou. Ontem tocou, quando fui atender, vc descligou. Tem paciência pra esperar não, é? E ser professora de Marcelinho Carioca? Te vi no correio… tome cuidado com ele… Bjs Dri*
Enviado por: Paola
Data de Envio: 21/8/2005 18:31:00
Blog: http://paolavannucci.blog.uol.com.br
Estou sentindo sua falta apareça em meu blog, adorei tudo que li, Paola
Enviado por: eduardo
Data de Envio: 21/8/2005 14:48:00
Blog: http://dudu.oliva.blog.uol.com.br
Seu blog tá melhor a cada dia!!!

19/08/200500:24
Aula VIP
Hoje tive a experiência de ser professora de celebridade. No primeiro momento até achei que era apenas um sósia, porque a gente sempre imagina que gente famosa é diferente. Mas o menino, tem cara de menino, foi bem discreto. Participativo, entrou no ritmo da aula rapidinho.
A turma também levou na boa. Acho que o assunto que discutíamos hoje, sobre a miséria na era da informação, tratando sobre inclusão, apartheid digital, consequências e o papel do comunicador, estava interessante.

Só espero não ter sido fotografada… não estou preparada para a fama. Hahahaha.

****

Lilianadas e Lilianices
Eu sou péssima em gravar nomes… quem me conhece já sabe e nem se assusta muito. Por outro lado sou ótima fisionomista. Mas por outro lado, ainda mais evidente sou super avoada.
Ou seja: Miqueira merrrrrmo.
Com essa vida de professora, a gente acaba conhecendo muita gente e aí eu me complico mais. Porque sempre que vejo um rosto familiar já penso logo que era aluno… Uma vez no Pier atropelei o Selton Melo, e ainda falei:”Cuidado menino!” no meu estridente tom professoral. Crente que era ex-aluno.
Outra vez, também no Pier, um outro ator da Globo, não sei o nome dele, mas ele é um dos peões da novela America, estava na frente de um balcão e como achei que ele tava olhado pra mim dei tcahuzinho e disse: “a noite a gente se vê!”.
Na UCB o ano passado cruzei com a Julia Gam no corredor durante a semana da comunicação e disse “você tá sumida moça!”
aaiaiaiaiaiai…
Lila Ribeiro |

19/08/200511:26
Morar em apartamento é….

Lila Ribeiro |

18/08/200523:38
Ensino Superior. Mudanças nas pós-graduações
Tá no correioweb:
Para cumprir recomendação do Ministério Público Federal a partir do próximo processo seletivo, Universidade de Brasília deve rever as regras para o acesso de estudantes ao mestrado e ao doutorado.
Pois é, que seja para melhorar e clarear as regras do jogo. Mesmo com todas as “particularidades que devem ser observadas” conforme ressalta na entrevista, o decano de Pesquisa e Pós-graduação da UnB, Noraí Rocco, é necessário que o candidato pelo menos saiba a que regras está se sujeitando. Não se pode comprovar, até por que ninguém vai se autodelatar, mas existem rumores de processos viciados, onde algumas vagas já são previamente destinadas. Também há o critério do QI, que não está estabelecido na maioria dos editais, nem sob forma de carta de apresentação, mas que em alguns casos tem peso classificatório.
Acho também que deveria haver um parecer mínimo, até enumerados por tópicos tipo questão de prova objetiva, justificando os motivos pelos quais alguém não foi classificado. Você chega e não vê seu nome na lista e ponto. Vai pra casa inicia um novo projeto e tenta adivinhar onde faltou oquê, já que ninguém que você conhece consegue identificar algum problema grave.
Outra coisa que tem que ser observada e também reavaliada é o caso do aluno especial na pós, que deveria ser uma forma de facilitar o acesso ao meio acadêmico para quem ainda não teve essa oportunidade e tenciona desenvolver-se na área da pesquisa. O que acontece algumas vezes é que candidatos são preteridos por outros com titulação as vezes superior àquela na qual a cadeira está vinculada.
Esse semestre na entrevista para aluno especial, o cara perguntou por que você quer cursar essa matéria? A vontade foi responder porque é a única que esta sendo oferecida no horário que tenho disponível! Mas nem era por isso. Era mesmo para buscar algum subsídio para investir num tema que fosse viável. Poxa vida, você mal tem acesso as ementas das disciplinas, programas então… é tem que justificar sua escolha com suposições. Já me deram a dica: não seja honesto na exposição de motivos, seja criativo. Ah bom…
Lila Ribeiro |

14/08/200523:30
Não deu de novo…
As vezes a gente deseja tanto algo que tem certeza que merece.
Se não acontece frustra.
Mas a vida nos assinala com alternativas. Resta aproveitá-las. Resta não. Escolhe-se aproveitar e fazer o melhor!
Dias melhores sempre vêm.

Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato. Stricto. Lato.
Lila Ribeiro |

Enviado por: eduardo
Data de Envio: 16/8/2005 18:06:00
Blog: http://dudu.oliva.blog.uol.com.br
Seu post reflete muito o que estou sentindo no momento. Para mim o certo será fazer um lato, para amadurecer e fazer Strictu. Sei que existe pessoas que podem já estão preparadas na graduação e ingressar num mestrado. Mas eu tenho o meu tempo e gostaria de ser respeitado por isso. Bem… se você tiver tempo, viste o meu blog, para ler o meu nova post.

13/08/200512:09
Pais e pais, filhos e Filhos

Pais e pais, filhos e Filhos.
Biologia? Direito?
Convenções? Responsabilidades?
Apenas amor e assim eles se encontram e fecham seu pacto para vida.
Eles se completam em mim, matriz geradora e me completam com sua cumplicidade e carinho mútuo.
Quem sempre teve pai não entende alguém que perceba estéril o significado da figura paterna.
Só mesmo um pai de verdade para tornar clara tanta subjetividade que a vida, vivida em cada momento, pode explicar. Obrigado por ter me dado esta chance. Obrigado por ser meu companheiro. Obrigada por nossos filhos.
Mari e BabinhaLuca e Beibei afinados

****

Para a história…
Alguém já pensou como essa crise, na qual estamos imersos hoje, e seus desdobramentos serão vistos daqui a dez, vinte anos?

Lila Ribeiro

Anúncios

Autor: >Lila

jornalista, vicionauta, blogueira, muito interessada em educação e comunicação [social, visual, digital] (professora, aluna, pesquisadora, mãe, filha e avó em ordem randômica de tempo, espaço e sensações )